Posts Tagged ‘Futebol’

A lei de Pelé

sábado, fevereiro 28, 2009

Entrevista de Pelé à revista Veja (Edição 2102, 4/3):

“Ganhei dinheiro com palestras e publicidade depois que parei de jogar. Fiz muitos comerciais, mas nunca de bebida alcoólica, política, religião ou tabaco.”

Claro…

65080_27

“Das Runde muss ins Eckige”

quinta-feira, junho 26, 2008

Da comentarista da Record: “A Alemanha se torna letal quando ocupa vastos espaços [do campo]”

A Alemanha está na final da Eurocopa. Mas o resultado de 3 x 2 sobre os turcos não disfarçou o péssimo futebol dos alemães. Foram muitos passes errados, pouca marcação e um memorável frango do goleiro Lehmann. Sorte que a Turquia estava desfalcada, com nove jogadores suspensos ou contundidos. Mesmo assim, os turcos dominaram o começo da partida. Foi só final do primeiro tempo que a coragem e raça dos turcos começou a ser eclipsada pela inexperiência. Nesse jogo, coube aos alemães o papel de turcos que vencem a partida no final. Lahm marcou o terceiro gol da Alemanha aos 45 do segundo tempo.

Foi difícil acompanhar a partida pela televisão. O jogo foi na Basiléia, mas uma tempestade em Viena, de onde o sinal era transmitido, interrompeu a partida três vezes no segundo tempo. O segundo gol da Alemanha se perdeu nesses buracos. Lembrou o “missing reel” do filme “Planeta Terror”. Estranho que a rede Record não tivesse um repórter para telefonar do estádio e informar o que estava acontecendo.

To Kill a Southern Lapwing

segunda-feira, maio 12, 2008

“L’oiseau mort ou Un enfant hésitant de toucher un oiseau dans la crainte qu’il ne soit mort“, de Jean-Baptiste Greuze (Museu do Louvre)

A cerveja não fez falta para apreciar a bela partida entre Coritiba e Palmeiras no Couto Pereira, tarde de domingo (11/05). A liminar que autorizava a venda de bebida, desafiando determinação da CBF, acabou cassada. Sobrou o jogo. Além dos gols de Hugo e Michael, destaque para a morte de um quero-quero, atingido em cheio pela bola no segundo tempo, e logo retirado pelo palmeirense Denílson.

A palavra é quero-quero:

Não há muita coisa interessante sobre os quero-queros (Vanellus chilensis) que não seja senso comum. São aves briguentas e extremamente territoriais. Nunca se empoleiram, preferindo campos abertos. A preferência por descampados faz o quero-quero disputar com os urubus o título de ave que mais oferece perigo à aviação civil.

São encontrados em quase todo o Brasil, mas são mais comuns no Sul. Os anglo-saxões o chamam de Southern Lapwing. Os espanhóis de Tero. São superprotetores com a cria. Uma das defesas é gritar de maneira insistente e levar os predadores para longe dos ovos. Na Argentina e Uruguai existe a expressão de recriminação “hacer como el tero“, gritar de um lado para proteger outro interesse – o uso mais comum é para criticar políticos. O quero-quero também é a ave símbolo do Uruguai, e adorna a camisa da seleção de rugby do país, conhecida como “Los Teros“.

Homenagem apropriada, o quero-quero é nome de estádio em Alvorada, Rio Grande do Sul. O “Morada dos Quero-Queros” do RS Futebol Clube.