To Kill a Southern Lapwing

“L’oiseau mort ou Un enfant hésitant de toucher un oiseau dans la crainte qu’il ne soit mort“, de Jean-Baptiste Greuze (Museu do Louvre)

A cerveja não fez falta para apreciar a bela partida entre Coritiba e Palmeiras no Couto Pereira, tarde de domingo (11/05). A liminar que autorizava a venda de bebida, desafiando determinação da CBF, acabou cassada. Sobrou o jogo. Além dos gols de Hugo e Michael, destaque para a morte de um quero-quero, atingido em cheio pela bola no segundo tempo, e logo retirado pelo palmeirense Denílson.

A palavra é quero-quero:

Não há muita coisa interessante sobre os quero-queros (Vanellus chilensis) que não seja senso comum. São aves briguentas e extremamente territoriais. Nunca se empoleiram, preferindo campos abertos. A preferência por descampados faz o quero-quero disputar com os urubus o título de ave que mais oferece perigo à aviação civil.

São encontrados em quase todo o Brasil, mas são mais comuns no Sul. Os anglo-saxões o chamam de Southern Lapwing. Os espanhóis de Tero. São superprotetores com a cria. Uma das defesas é gritar de maneira insistente e levar os predadores para longe dos ovos. Na Argentina e Uruguai existe a expressão de recriminação “hacer como el tero“, gritar de um lado para proteger outro interesse – o uso mais comum é para criticar políticos. O quero-quero também é a ave símbolo do Uruguai, e adorna a camisa da seleção de rugby do país, conhecida como “Los Teros“.

Homenagem apropriada, o quero-quero é nome de estádio em Alvorada, Rio Grande do Sul. O “Morada dos Quero-Queros” do RS Futebol Clube.

Anúncios

Tags: , , , , ,

4 Respostas to “To Kill a Southern Lapwing”

  1. Galeb Says:

    Quanto a vc eu não sei, mas pra mim a cerveja fez uma falta….

  2. Jean-Philip Albert Struck Says:

    Naquele dia um quentão ia ser melhor.

  3. Galeb Says:

    Hehe o obituário do quero-quero. Mas sinto informar que segundo informações o tero em questão não morreu.

  4. Galeb Says:

    O Quero-Quero deixa uma esposa, Paque Barigui e seis filhotes, Parques Tanguá e Vila Capanema.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: